3 de março de 2015

A Pena e a Carta dos Deuses (Cap. 5 - Uma bagunça mágica.)

- ...seu besta, não sabe o que está fazendo, não sabe o mal que está fazendo enquanto finge fazer o bem, não é tão simples assim que as coisas funcionam, você precisa....
                Giulian é acordado de seu sono com o tocar de seu celular, era um sonho esquisito e tinha uma pessoa falando com ele no momento que despertou.
- Quem era? Porque estava falando aquilo tudo? Estou com a impressão de que aquilo realmente aconteceu, será que foi como com o Faraó? – Várias perguntas rondavam a cabeça do garoto após um estalo surgir e um nome – Karina, isso, era uma mulher que falava no sonho, a voz era feminina e doce, preciso descobrir do que se trata, mas antes devo atender meu telefone, mas espera aí, porque o número é desconhecido?
- Alô, Sr. Giulian? – Fala uma voz doce ao telefone.
- Quem está falando? – Já desconfiado que seja a mulher do sonho, seu coração acelera, como se estivesse esperando essa ligação.
- Aqui é Karina, você por acaso estava me procurando? Acho que temos muito o que conversar, tenho uma má notícia para te dar, infelizmente.
- Certo, mas quem é você, como sabe meu telefone e como entrou em meus sonhos? E como sabia que eu pretendia te procurar? E como eu soube seu nome?
- Calma, muitas perguntas, abra a porta e me receba com um café novinho que irei lhe dar mais detalhes de todas as suas perguntas e principalmente te contar uma notícia muito triste.
- Certo, mas não tenho café, moro em uma pen...
- Abra a porta logo e pare de se justificar por nada – Fala a garota em voz alta, mesmo tirando o celular do ouvido foi possível ouvi-la pela porta, sem pensar duas vezes Giulian abriu a porta.
                Uma garota branca de cabelos escuros e olhos brilhantes está em frente a porta, Giulian olha com um ar de ter encontrado a oitava maravilha do mundo, mas infelizmente ainda não confiava naquela mulher, apesar de se sentir muito atraído e como se a conhecesse.
- Bom dia dorminhoco, já estamos quase ao meio dia e ainda dorme? Quem é que carrega tão poderosos itens e se porta como adolescente? Ah... Lógico, você, que dorme por vários dias seguidos!!
- Bom dia menina misteriosa que chegou me dando ralo. Podemos começar com as perguntas que fiz?
- Em primeiro lugar, sinto muito pela sua amiga Pamela.
- Como assim? Ela está doente? Como sabe dela?
- Infelizmente suas atitudes tem causado alguns estragos no mundo, no seu, no meu em todos os outros, isso fez com que a magia do psicograma que ela carregava ficasse mais forte e acabou se afundando em uma depressão após ver seu pai ser assassinado enquanto tentava encontra-lo, uma falha no tempo, o pai dela morreu há alguns anos já, como você não estava por perto e ela não te encontrou, não teve ninguém para se apoiar e acabou se matando.
- Mas como assim? Ela tinha um colar com um psicograma simples, de encontrar pessoas vivas. Alias, eu a vi ontem, como pode ter morrido? Ela tentou me procurar? Meu Deus, ela não sabia onde eu estava morando, sai do hospital direto para esse novo local. É verdade?
- Não bonitinho, você não viu a Pamela ontem, você a viu já fazem sete dias, seus usos indiscriminados da magia da carta e da pena, com pequenos pedidos como pizza de graça, gerou um acumulo muito grande de magia precisando de um local para descarregar, mas não tinha nenhum item ou ser mágico além deles, infelizmente essa força mágica buscou o talismã da sua amiga, com a qual você teve contato no hospital semana passada, porque tenho que repetir tudo de novo? Ah é, porque você estava dormindo quando te contei.
- Como assim? O uso da magia não deveria ser uma forma de descarregar? Se eu uso uma coisa, ela descarrega, como uma bateria de celular, eu não entendo.
- Esses dois itens foram criados por deuses, um bom e um mau, ambos tinham ideais ao qual seguiam e sempre destoavam um do outro, isso foi refletido nos objetos criados, quando usado apenas a pena, nada acontece, mas quando utilizado a carta o conflito de energias gera um balanço do bem o do mal, mas essas forças não se anulam, elas se ampliam e precisam descarregar, uma contra indicação do uso, por isso esses itens foram separados até que um curioso os encontrou e os deixou cair na mão de um adolescente que acha que brincar de magia é legal.
- Olha, eu já fiquei perto da morte várias vezes desde que peguei esses objetos, tentei devolvê-los, mas não quiseram, não sei o que fazer. – Giulian senta em uma cadeira próxima e esfrega os olhos com força – Não acredito que ela morreu!
- Não faça nada, esconda-os separados e não use mais, antes que machuque outras pessoas próximas de você, Pamela foi a primeira, eu acho.
- Como assim? Ainda não consigo acreditar que Pamela tenha morrido. – No mesmo momento a menina mostra uma foto de celular do velório de Pamela, com poucas pessoas ao redor do caixão aberto. – Não, não, não posso mais fazer isso, tenho fugido, me escondido, buscado informações e jamais tive um retorno, agora que tenho, é de alguém com quem me importo morrendo? Mas no final das contas, quem é você e como sabe isso tudo?
- Eu sou alguém que você já conheceu antes, alguém que esteve em seus sonhos por vários dias, mas só agora consegui fazer com que se lembrasse do que sonhou, só agora consegui sua lucidez total enquanto conversávamos, por isso soube meu nome, já te contei tudo isso que estou dizendo agora.
- Já que tinha conseguido, porque me acordou e veio até aqui?
- Eu só consegui por que você estava prestes a acordar, em um estado do sono leve e ao mesmo tempo livre, quando seu espirito está próximo de seu corpo, mas acessível, aproveitei para te encontrar pessoalmente depois que me deu seu endereço em nossas conversas, pena que não lembra de nada.
- Ok, chega de enrolações, vamos ao que interessa, porque está aqui, não é somente para me fazer sofrer por uma pessoa que foi muito importante durante os últimos acontecimentos da minha vida. – Diz Giulian com lágrimas escorrendo dos olhos.
- Meu nome é Karina, sou uma amiga, sou conhecedora de vários assuntos e não sou daqui, sou de outro fio do grande novelo de lã que é esse mundo. Vim para lhe ajudar, na verdade vim para te salvar, pois de onde eu venho você não existe, é um mistério o porquê, mas você só existe nesse mundo, nessa dimensão, acredito que tudo que aconteceu com você tinha que acontecer, não com as mesmas regalias e abusos de magia, mas os objetos pararam em suas mãos por um motivo e eu vim para estar ao seu lado, onde quer que tenha que ir, esses objetos são raríssimos e também não são encontrados em outras dimensões, por isso vários guerreiros, feiticeiros, psicólogos e cavaleiros virão atrás de você, eles tem uma porta aberta que foi criada após a descarga de magia que resultou na morte de sua amiga, um portal no tempo e espaço dimensional.
- Ok, agora sou procurado “interdimensionalmente” por todo tipo de pessoa?
- Não só por pessoas, seres sobrenaturais também, todo tipo de ser vivente para ser mais exata.
- E como você pode me ajudar? Não me leve a mal, mas agora eu sou um lutador profissional e você é... uma... mulher!!!
- Não seja machista, mulheres podem ser armas letais se bem treinadas, enquanto homens só sabem usar os músculos, não pensam antes de agir, se tornando frágeis e previsíveis assim como você, pelo visto.
- Ok, ok, mas como ter certeza que posso confiar em você?
- Pergunte para quem pode responder com certeza, mas faça a pergunta correta. – Diz a menina fazendo gestos como se estivesse escrevendo alguma coisa na mão.
- Certo, entendi.
                Giulian pega a Pena e escreve em um papel: “Essa garota na minha frente é uma pessoa de bom coração que quer somente me ajudar a fazer o bem?”, em instantes surge a resposta “A garota sim, enquanto viva.”
- Então? Pode confiar em mim?
- Certo, o que faremos agora? – O garoto não consegue tirar os olhos dos lábios de Karina, ainda não entende porque essa obsessão por ela.
- Precisamos encontrar uma pessoa que poderá nos ajudar, tem contatos e experiência, seu nome é Gabriel e ele é algo parecido com um caçador de seres sobrenaturais, mas ele está em outra cidade.
- Outra cidade? Não seria outra dimensão? Alguma aconteceu com a gente nesses sonhos que tentou me contar tudo? Estou com uma sensação estranha...
- Não, ele vive aqui no seu mundo, em uma cidade próxima, Miranda, conhece? Mas preciso terminar tudo o que estava falando sobre os itens, sobre a descarga de magia e sobre uma porta mágica entre dimensões e eras. Isso tudo é só o começo, a magia se espalhou por todas as dimensões, algumas que nem sabiam da existência de fadas, agora é habitado por elas, precisamos ir além de te salvar, precisamos salvar o mundo. A mitologia grega, nórdica e egípcia, todas juntas, imagine o caos! Quanto ao sonho, vou esperar você lembrar, não tem problema.

                Giulian, depois de uma longa conversa que lhe tomou muito tempo, descobriu coisas que preferiria não saber, se abateu com a morte de sua amiga, um pouco mais que isso talvez, seu coração sentiu tanto quanto sua cabeça e agora está com um fardo ainda maior para carregar. Em busca do desconhecido Gabriel, Karina se junta a Giulian e se mostra bem interessada e disposta a ajudar, mas por algum motivo Giulian se sente atraído por ela, não entende o porquê, mas é como se já tivessem se visto várias vezes e até se relacionado, será que foi em um sonho?
Postar um comentário