1 de abril de 2013

Ser pai ou não ser, eis a questão!!


Durante nove meses você fica pensando “como será que ele vai ser?”, “será que vai ser ele ou ela?”, o nariz, a boca, os olhos, como será que cada coisinha pequenina será quando este bebe vier ao mundo, você imagina tudo, mas nem imagina que um momento deste é inimaginável.
                Tudo começa com um atraso, um papel escrito “POSITIVO” em letras garrafais e em negrito e logo tudo se torna pequeno diante de tão grande susto, susto de surpresa, surpresa de alegria, diante de tão grande susto tudo se torna pequeno.
                Pequeno até que ponto? Não cabe mais um? Cabe sim, cabe mais um, por enquanto só mais um, mas quem sabe depois?
                Pequeno é o seu carro para tantas malas e brinquedos, pequeno é o quarto que ele vai dormir, mas será que já tem um quarto? Pequena é a casa que nem espaço tem para um berço e um guarda roupas e um armário e uma cômoda e um monte de brinquedos e muita coisa mais.
                Com o tempo você percebe que dá para se ajeitar, quando o susto de surpresa de alegria passa veem as preocupações, que logo passam também, ou será que não?
                Algumas preocupações passam, outras não, outras permanecem por tanto tempo quanto essa linda e esperada criança está dentro de seu casulo uterino, protegido e sem nem perceber o quanto seus pais estão o esperando.
                Será que eles percebem as reações dos pais? Há quem diga que sim, outros acham que não, mas o que importa hoje é o que está sendo vivido, basta você decidir se acredita ou não, pois o filho, ou filha, é seu e não dos que pensam diferente de você.
                Sustos acontecem, problemas também, não se desespere, porque provavelmente o mais prejudicado é o que menos está se importando, porque pra ele está tudo na paz, tudo normal, se assustar só ira piorar as coisas, tem que levar com calma e tranquilidade, para que , aos que acreditam, o bebe sinta só a energia positiva, só a alegria e a esperança de que tudo dará certo.
                Toda criança nasce exigente, só toma leite do peito, se não for de lá tem que ser leite caro. Fraldas? Só as melhores, porque se não dá alergia, nem se fala de roupas, porque se você compra uma blusinha hoje, amanhã já não serve mais, roupa de bebe não devia ser vendida e sim alugada por diárias, nem sairia tão caro.
                Pronto, tudo comprado, chá de bebê já feito, ganhamos milhares de presentes e fraldas, o quarto montado, guarda roupas limpo e cheiroso, roupas todas passadas de frente, de costas e do avesso para garantir que não tenha bactérias, a roupinha de saída da maternidade linda, branca com detalhes rosa ou azul.
Buáááááá... – Ouve-se o choro do bebê, “será um machão que vai azarar todas as gatinhas? Ou talvez a gatinha que será azarada por um bando de moleques?”
Porque é assim que funciona, quando é homem é o garanhão que azara todas, mas quando é mulher o garanhão se torna o moleque despreparado, safado e que não merece sua filha, engraçado isso não é? Seria ciúmes? Mas pera aí, que ciúmes que nada, eu sou pai, eu posso falar assim, eu sou bravo e ninguém vai se aproximar a minha filha.
Todos dizem isso, até a filha dizer “papai”, isso sim é “O” momento da vida de um homem, onde ele se torna novamente uma criança feliz porque ganhou um brinquedo novo e chora de emoção.
Mamãe, papai, mama, papa, abôôô, abó, vovó, cada pequena junção de sílabas novas se torna uma tão esperada palavra, que por incrível que pareça, os pais entendem.
Em um piscar de olhos você se vê comprando e preparando coisas para o aniversário de um ano, pois é, você até assusta com a rapidez com que isso acontece, mas o susto é, de novo, de surpresa e de alegria.
Você então volta pra trás e pensa: “Quantas vezes fiquei estressado porque ela tinha cólicas e não parava de chorar, quantas vezes acordei, peguei ela no colo e ao olhar no relógio percebi que ainda era 5 da manhã, quantas vezes tive vontade de sair correndo e entregar ela pro pai, opa, pera aí, eu sou o pai, então tive vontade de sair correndo, só isso!”
Responsabilidades, felicidades, estresses, momentos bons e ruins, mas todos bem recompensados por um beijo que ela aprendeu a mandar de ontem para hoje ou por um sorriso lindo e feliz quando ela te vê ao acordar.
Esses sãos os momentos que definem a magia de ser pai ou mãe. O cansaço, o estresse e os momentos depressivos fazem parte, mas até pra ganhar na mega-sena você tem que começar gastando R$2,00 com a chance de não levar nada, grande chance por sinal. Nada vem de graça e é só alegria, o jeito é se convencer de que os bons momentos superam os ruins e ter em mente que nada é por acaso.
Um beijo à minha linda esposa Laoma e minha filhota Manuela que é a quem dedico esse pequeno texto que escrevi com todo meu coração.
Amo vocês!
Postar um comentário