30 de outubro de 2015

Caminhos Cruzados (Ep. 3.6.12 - Equilíbrio afetado)

Esta publicação se refere a uma combinação temporária de três séries que escrevo:
* O capitulo 3 de O Viajante do Tempo;
* O capitulo 6 de A Pena e Carta dos Deuses;
* O capitulo 12 de O Cair do Véu.
Durante algumas postagens essas três séries serão chamadas de Caminhos Cruzados, dando continuidade em suas aventuras solo posteriormente.

                Dificilmente poderia se dizer que dois jovens, que não sabiam nada de lutas, não conheciam o mundo como ele realmente é, estariam hoje tentando salva-lo, salva-lo de uma catástrofe mágica, demoníaca e seja lá mais o que for acontecer.
                Giulian, um simples viciado em jogos que se viu com o controle na mão e Gabriel, jovem curioso que foi jogado nesse mundo por demônios. Ambos aprenderam na marra a lidar com tudo o que essa realidade lhes pode causar.
Seriam estes os heróis que salvariam o mundo? Mais alguém estaria disposto a arriscar sua vida por um mundo que aparentemente já está perdido?
- Giulian, preciso lhe dizer uma coisa importante, já estamos juntos caminhando por aí a mais de uma semana, trocamos ideias e contamos algumas de nossas muitas histórias, mas tem algo que preciso lhe contar.
- Diga.
- Eu percebo que tem alguém me seguindo sempre, todo o tempo, mais especificamente desde que eu comecei a me aventurar nesse mundo desconhecido. É uma pessoa que está sempre com a mesma cara, sempre com a mesma idade e mesmas roupas. Um rapaz jovem, alto, cabelos pouco compridos, barba e cavanhaque no rosto e um manto claro cobrindo todo seu corpo.
- Mas como assim? Quem poderia te acompanhar por tanto tempo em todos os lugares assim?
- Pois é isso que me preocupa, não ter ideia do que ou quem é ele.
- Então acho que devemos perguntar para ele pessoalmente – Diz Giulian enquanto vira seu rosto para um estranho que surge ao lado dele.
- Não precisam me perguntar, deixem eu me apresentar. Meu nome é Kelson, venho acompanhando seus passos para garantir o seu futuro, estive presente em diversos eventos que passou, auxiliando quando possível. Eu não sei minha idade, não sei quando nasci e muito menos onde nasci, minhas memórias se perderam no tempo, assim como eu.
- Como isso é possível? Me ajudando quando e como? Sempre o reparei, o observei, fiquei de olhos bem abertos.
- Pois é Gabriel, esse é o meu papel, aparentemente é a única coisa que sou capaz de fazer, viajar no tempo, atrasar o tempo, adiantar o tempo, ajudar o tempo e garantir que tudo leve o tempo necessário para acontecer, como esse encontro. Não sei como, apenas sei que será muito importante no futuro, precisei te ajudar para que não morresse, sempre soube de seus fardos, dos dominadores, dos seres que te bateram muito, te ajudei em seus treinamentos, diminuindo a velocidade do tempo para que pudesse treinar mais, coisas que nem se quer percebeu, mas que com certeza surtiram o efeito necessário para estarmos aqui hoje, juntos.
- Sabia dos dominadores? Sabia dos Caali? Porque não me ajudou antes? Porque me deixou sendo um boneco daquele demônio desgraçado?
- Porque você só é o que é hoje graças a ele, nada que passou na sua vida foi em vão, tudo tem seu tempo para acontecer e acredite, de tempo eu entendo bem. Até por isso esperei esse momento para aparecer e conversar com vocês. Me diz se não agradece pela agilidade e velocidade que aquele laço com o demônio lhe proporcionou?
- Mas vejo que tem certa fixação pelo Gabriel, mas e sobre mim? Seu futuro lhe diz algo?
- Olhe Giulian, para você apenas tenho o passado, pois o futuro ainda não foi escrito e quando digo escrito estou sendo literal, pois você não existe, você é algo, não alguém, muito ainda deverá ser descoberto sobre sua origem, mas garanto que ser atingido por um faraó em sonhos e ter uma ferida que arde constantemente não é nada natural. Mas sobre o passado preciso lhe dizer, Pamela sofreu muito, mas ela foi apenas a reação de suas ações, saiba que muitas vidas ainda serão carregadas em suas consciências e para suportar isso precisam entender algo fundamental. O tempo cura tudo, não se deixem abater.
                A conversa se prolongou, mas em seus relógios não passou mais do que um segundo, efeito dos poderes de Kelson. No momento que o tempo volta a rodar, o estranho mestre do tempo some e Karina aparece de longe correndo e gritando.
- Socorro Giulian, Gabriel, venham rápido, tem um asilo pegando fogo, corram, vários idosos não conseguiram sair, ajudem.
- Acalme-se Karina, como salvaremos todos Gabriel? – Fala Giulian preocupado.
- Kelson poderia nos ajudar, se tem tanto poder assim, poderia parar o tempo para entrarmos no asilo.
- Estou dentro, vamos indo – Diz Kelson, em tom audível, mas invisível aos olhos.
- Quem é Kelson? – Pergunta Karina.
- Longa história, vamos correr, depois contamos. – Responde Giulian.
                Os quatro correram, resgataram os idosos com as chamas paradas, mas o calor era insuportável, quando todos estavam para fora o tempo foi liberado e todos foram socorridos, ninguém sofreu danos graves, mas algo ainda estava errado, após as chamas se extinguirem os bombeiros informaram que havia um pequeno local onde o incêndio foi iniciado e, em estado etéreo, Kelson ouviu tudo.
- Giulian, Gabriel, voltarei no tempo, os bombeiros não entenderam o que aconteceu aqui, aparentemente foi criminoso.
- Vá e nos traga a informação, não faça nada sozinho.
                Voltando no tempo em câmera lenta, acompanhando tudo o que acontecia, ele viu um homem com roupas bonitas, bem arrumado. Assim que o homem entrou no asilo tudo explodiu, mas ele não estava lá quando os idosos foram socorridos e após mais algum tempo com o prédio ainda em chamas, antes de a multidão se formar, o mesmo homem sai pelas portas do fundo e pula o muro do terreno ao lado. Kelson retorna ao grupo e conta tudo, eles resolvem procurar o incendiário.
- Kelson, ao ver alguém parecido com o homem nos avise, estaremos de olho em tudo por aqui. – Diz Gabriel.
- Vou procurar saber onde esse cara está perguntando para a pena.
- NÃO FAÇA ISSO – Grita Karina assustada. – Se fizer isso vai desestabilizar ainda mais o mundo, não ouviu nada que eu te falei quando nos conhecemos?
- Ela está certa Giulian, vocês procuram à moda antiga e eu procuro do meu jeito. – Confirma Kelson.
                Kelson retrocedeu o tempo devagar e foi acompanhando até chegar ao local onde o homem se esconde, isso toma algum tempo, mas para Giulian e Gabriel não passou nem cinco minutos até Kelson retornar.
- Ele está em uma casa de portão marrom a poucas quadras daqui, vamos andando. – Diz Kelson.
                Após uma pequena caminhada os quatro chegaram à casa do homem, bateram na porta e Kelson ficou invisível antes do homem atender.
- Boa tarde senhor, meu nome é Giulian.
- Boa tarde, o que quer?
- Desculpe, estou interessado em saber se viu ou ouviu algo sobre o incêndio naquele asilo a poucas quadras daqui. Estamos procurando pessoas que possam ajudar a polícia a descobrir o que aconteceu, eu tinha uma avó lá e acabei resolvendo ajudar. – Mente Giulian para tentar tirar algo do homem.
- Não sei de nada, não me incomodem.
- Tudo bem senhor, mas como estamos ajudando a polícia, poderia me passar seu nome completo? É para anotar aqui e repassar a informação de que não sabe nada sobre o incêndio.
                A mentira não foi bem recebida pelo homem, ele diz que vai pegar um cartão com os dados dele, mas ao virar as costas ele corre para os fundos da casa.
- Corram, ele está fugindo. – Diz Giulian.
- Eu pego ele. – Diz Gabriel conseguindo alcança-lo graças a sua agilidade. – Acho que temo que conversar senhor. Em primeiro lugar, qual o seu nome?
- Não temos nada para conversar não menino, me largue.
- Você não é o único com poderes aqui, sugiro que não tente nenhuma besteira.
- Que poderes? Do que está falando?
- De um asilo pegando fogo, de você entrando pouco antes de tudo explodir e saindo pela porta dos fundos quando tudo estava em chamas, sem ao menos sofrer uma queimadura qualquer.
- Você está louco, só pode estar. Eu fiquei em casa, estava aqui adiantando serviço o tempo todo.
- Kelson, o que me diz?
- Olhe Gabriel, eu tenho certeza que vi esse homem saindo do asilo, posso te levar se quiser para ver? – Diz Kelson enquanto volta a ficar visível.
- Quem... o que é você? O que são vocês? Porque estão me incomodando?
- Me diga o seu nome.
- Meu nome é Marcos e eu corri porque achei que fossem bandidos com aquela historinha barata de ajudante de polícia. Não tenho nenhum poder, nem sei do que estão falando.
- É possível que ele esteja falando a verdade. – Fala Karina enquanto chega mais próximo e ouve uma parte da conversa. – Se estamos vivendo um colapso nas dimensões, podemos estar vivendo um colapso no tempo também. Talvez quem você viu saindo do asilo seja realmente o Senhor Marcos, mas não esse e sim o Marcos de outra dimensão, o tempo é complicado, o tempo é sempre o tempo, em qualquer dimensão, eles podem estar se interferindo e gerando essas visões errôneas ou imprecisas. Quando viaja pelo tempo, acaba passando para outra dimensão, mesmo que sem querer.
- Mas o que justificaria o asilo pegando fogo.
- Simples viajante do tempo, o que o ocorrido e suas visões incorretas sugerem é que exatamente neste ponto do asilo havia uma brecha nas dimensões, o homem pode ter iniciado um incêndio na outra dimensão, mas como seu poder é muito forte e o equilíbrio já está afetado, o poder acabou vazando, por assim dizer, para essa dimensão, iniciando o incêndio sem nenhum culpado.
- Você me parece muito inteligente moça, mas pode pedir para ele me soltar? Meus braços estão dormindo.
- Desculpe Marcos, entenda que estávamos apenas tentando resolver o problema do incêndio. – Gabriel solta o homem com certa culpa.
- OK, então o que faremos? Ficamos quietos?
- Olhe Giulian, de onde eu venho, demônios e anjos não são comuns, mas pessoas com poderes especiais, habilidades únicas, é comum, possivelmente esse homem que causou o incêndio seja da minha dimensão.
- Mas se você é de outra dimensão, porque veio parar aqui?
- Isso mesmo Kelson, está pergunta também me ficou na mente, mas não tive a oportunidade de perguntar.
- Gabriel. Kelson. Eu já expliquei ao Giulian, mas ele não se lembra muito bem. Eu sou uma dessas pessoas com poderes, eu tenho a habilidade de me comunicar com as pessoas pelo sonho, viver todo um momento no sonho da pessoa, de forma errada eu poderia até gerar pesadelos. Eu vim para essa dimensão porque em uma de minhas navegadas pelos sonhos dos outros eu encontrei uma pessoa única, uma pessoa que não existe em nenhum lugar, apenas aqui, essa pessoa é o Giulian. Todas as dimensões são como braços de uma linha que se dividem em momentos de escolhas, quando você opta por mudar de vida ou não, quando você escolhe esse emprego e não aquele. Todas as escolhas geram ou se misturam com realidades alternativas de um mesmo mundo, onde temos as mesmas pessoas vivendo, exceto em escolhas em que alguém morre, como a Pamela, que nessa dimensão não existe mais. Essa quebra de realidade fez com que os mundos ficassem um sobre o outro com alguns pontos fracos, causando a quebra da dimensão, que eu usei para chegar aqui, onde o Giulian existe, portanto, ou o Giulian NUNCA precisou fazer uma escolha, o que considero impossível, ou ele é algo muito importante para o mundo e pode ser fundamental para corrigir o equilíbrio, mesmo sendo ele um dos motivos de ter acontecido.
- Certo, você é muito inteligente e tem uma habilidade especial, pode ajudar muito sim, mas tem um problema, nessa dimensão existe outra de você? Como seria se vocês se encontrassem? – Pergunta Kelson.
- Eu já cuidei disso. – Todos olham assustados para a menina. – Não matei ninguém, acalmem-se, apenas a levei para minha dimensão, digamos que foi uma troca de lugares, sou rica lá, aqui sou pobre, minha outra existência que se deu bem.
- Pessoal, eu não estou entendo nada dessa história de mundos paralelos e poderes e sei lá mais o que, mas se puderem sair, eu preciso terminar meus trabalhos. – Diz Marcos, o dono da casa, que aparentemente foi esquecido ali enquanto os quatro conversavam.
- Desculpe Marcos, peço perdão pela nossa intromissão e por ter tomado todo o seu tempo, sugiro que esqueça tudo o que ouviu aqui, seria melhor para sua saúde. – Sugere Gabriel enquanto vão saindo da casa.

                O equilíbrio afetado está prejudicando os mundos, quantas coisas podem ocorrer sem nenhuma explicação? Quantas fendas existem pela cidade? O asilo foi destruído e com ele a fenda foi fechada, mas esses improváveis heróis ainda terão que responder muitas charadas e montar diversos quebra-cabeças.

24 de março de 2015

O Cair do Véu (Cap. 12 - Um novo objetivo)

A vida tem se tornado monótona e o medo é parte integrante das minhas rotinas, casa aberta, porque não adianta trancar, ando na rua olhando para todos os lados, inclusive para cima e para baixo, rezo para um Deus que nem se acredito mais e espero que ao juntar todas as pedras planares o mundo se torne mais seguro, mais equilibrado. 
Continuo na busca das pedras, faltam apenas duas para encontrar, Rediz não tem mais me dado informações, acho que estas duas devem estar muito escondidas, alias, uma, porque Gilden já sabemos que está no inferno, quem falta? 
- Zeras. - Responde uma voz em minha cabeça, era Rediz, deve ter ouvido meus pensamentos. - Zeras, uma linda e majestosa felina de cor translucida e toques suaves, sua raça sempre foi considerada a mais gentil de todas, tão gentil que foi exterminada antes de todos os outros, porque foram facilmente enganados. 
- E você sabe onde encontrá-la? 
- Não sabia, mas algo aconteceu, o mundo está com suas energias desbalanceadas, muita magia circulando e acendeu em minha mente um ponto luminoso que parece ser Zeras, mas ela não está neste plano, o que é estranho, porque estamos exatamente sobre ela. 
- Como assim estranho? Como assim não neste plano? - Neste momento outra voz entra em minha mente. 
- Não estou neste plano porque um portal foi aberto, os mundos estão se convergindo e algo muito ruim está por vir, temos duas pessoas que buscam encontrar vocês também para dar um fim a esse mal, não sei seus nomes e nem onde estão, mas sei que tem seres maus atrás deles para roubar uns itens mágicos que carregam. - Era Zeras, conseguindo contato conosco por estarmos no mesmo lugar, mas em dimensões diferentes. 
- Doran, você é capaz de usar seus poderes para rasgar o espaço/tempo e recuperarmos Zeras? - Pergunta Rediz. 
- Sim, perfeitamente possível que eu faça isso, mas com esse equilíbrio quebrado uma rachadura na dimensão pode não ser a melhor opção. É a única que temos? - Diz Doran 
- Não é a única, mas a mais eficiente e rápida. - Quia entra na discussão. 
- Ok então, vamos para um lugar mais apropriado, pois será estranho um lobo gigante e negro no meio da rua. - fala Zeras com certo alívio de ser recuperada. 
Doran sai de sua pedra sem precisar ser chamado, com o tempo todos adquiriram essa capacidade, exceto Quia. O lobo põe suas garras à mostra, maiores do que quando o vi lutando contra demônios em Corumbá e suavemente desliza a pata no ar, como se estivesse fazendo um corte delicado em um tecido frágil, logo uma luz começa a sair do corte e sua força faz com que pequenos rasgos se tornem um buraco enorme e uma pequena pedra cai rolando pelo buraco, mas junto com ela, outra coisa passa pelo buraco dimensional, um homem muito feio, aparentemente todo queimado e com roupas de lã listradas de vermelho e preto, ele era a encarnação de um personagem de cinemas de terror, Freddy Krueger, logo reconheci e me assustei. 
- Ele é um demônio, Doran feche o portal enquanto lidamos com ele. - Diz Zeras enquanto de sua pedra uma agua límpida e reluzente escorre, logo começa a ganhar a forma de um grande gato, mas com duas caldas e seis patas, ela era Zeras, uma linda imagem animal. 
Freddy tenta usar suas garras para acertar Zeras, mas foi parado por uma mão de um desconhecido, era quem estava me procurando, o rapaz segurou firme o braço de Freddy e o jogou para o lado, ao cair no chão Doran, que já havia fechado o portal, partiu para cima dele e arrancou sua cabeça com apenas uma mordida. 
- Sou Giulian, a considerar que acabei de derrubar o Freddy Krueger, imagino que você seja quem eu procuro, me disseram que você sempre ajuda o mundo combatendo o sobrenatural. - O menino olha para minha cara esperando alguma resposta. 
- Sim, sim, sou Gabriel, uma amiga me disse que estava me procurando, mas até onde soube haveria uma menina com você também, onde ela está? Alias, Freddy Krueger existe? Todos os filmes de terror são verdadeiros? 
- Não todos - Responde Doran - Você acha que a ideia para os filmes surgiu de onde? De alguém que viu aquilo e quis contar pra todo mundo sem parecer louco, isso é um filme de terror, mas nem sempre são exatamente como os filmes, por exemplo o Freddy não se chama assim, ele é um demônio chamado Kurak Gal'aha e não entra no sonhos das pessoas, ele as faz terem ilusões de que estão dormindo para que o corpo reaja com o que o cérebro acredita, sem chegar perto ele é capaz de matar uma pessoa pelo medo que pode causar, quer dizer, podia. 
- Mas sobre a menina que me perguntou, ela é uma pesquisadora que veio de outra dimensão para me ajudar, sou portador de dois itens mágicos de muito poder, criado por deuses, eles que geraram toda essa instabilidade nas energias do mundo, porque eu não sabia como usá-los e usava mesmo assim, agora que aprendi estou disposto a ajudar a resolver o que causei, mas acho que preciso de sua ajuda e de seus amigos. 
- Certo, se ela é uma pesquisadora poderá nos ajudar a encontrar a fonte do problema e como resolver, chame-a, vamos nos reunir em algum lugar mais escondido. 
O caminho de Giulian finalmente se cruza com o meu, uma aliado a mais para resolver um problema tão grande é sempre bom, mas estou certo que tenho sido seguido, não entendo como ou porque, mas vejo a mesma pessoa em várias épocas de minha vida, mas sempre com a mesma roupa e idade, em qualquer lugar que eu esteja, quem será ele? E seguimos nosso caminho a fim de pesquisar, estudar e nos conhecer melhor para alcançar o nosso novo objetivo.

22 de março de 2015

O Viajante do Tempo (Cap. 2 - O Cair do Véu)

                Certo dia estava em minhas idas e vindas pelo tempo, quando parei em uma floresta, parecia inabitada, apenas diversos animais correndo de um lado para o outro, aquilo me dava muita tranquilidade, não consigo imaginar lugar melhor para esquecer as aflições, não consigo imaginar lugar mais lindo para filtrar toda a maldade que meus olhos já viram, em poucos meses já viajei por centenas de anos, já vi coisas, conheci pessoas, mas algo que jamais fiz, foi interferir no andamento do mundo, nunca ensinei nada a ninguém, nem ao menos falei de minha vida ou meu poder, para que isso não fosse se tornar algo muito maior no futuro, mas neste dia algo aconteceu, nem ao certo eu sabia se era presente, passado ou futuro, eu apenas percebi algo que me fez ter medo, mas despertou minha curiosidade e eu tive que ir atrás.
                Homens estavam caçando e prendendo macacos em jaulas, logo vejo um garoto separando os homens, a velha tática do “separar para conquistar”, derrubou um com sua arma de dardos, logo depois outro, eu precisava descobrir o que era aquilo e quem era o jovem que estava correndo para salvar uns macacos, era um jovem com algumas habilidades interessantes, mas não sabia lutar, definitivamente ele era ruim de briga, mas o garoto sobreviveu até o último deles, um gigante, músculos expostos, literalmente, tatuado a fogo em seu peito o nome EHCOS 0021.
                Pesquisei no tempo e descobri, Experiência Humana de Caça e Opressão ao Sobrenatural, algo assim era a explicação do nome EHCOS que havia em todos os homens que caçavam os macacos, inclusive no Hulk que apareceu por último, mas porque alguém criaria tal ser? O que seria tão sobrenatural que precisasse “daquilo”? Minha cabeça girou, eu tive uma vertigem e cai no tempo, acordei ao lado de uma casa, uma cidade chamada Miranda, nunca tinha ouvido falar, mas era ali que ele ficava, Gabriel, menino que andava com um macaco, apanhava muito, tinha alguns amigos estranhos, até que então eu precisei entrar em ação.
                Dominadores, eles eram maus, se diziam amigos do menino, o fizeram se tornar um deles pelo que entendi em minhas viagens, estavam manipulando o pobre garoto, que hoje já era outra pessoa, forte, esperto, mas que inocentemente foi enganado e se tornou algo muito perigoso. Durante uma busca por umas tais “Pedras Planares” eu resolvi intervir e comecei a ajudar o garoto indiretamente, plantei pistas, errava algumas vezes, mas estava sempre dando certo.
                Certo dia contei com uma ajuda inesperada, um ser sobrenatural, um demônio chamado Succubus, contou toda a verdade para o menino e ele enfurecido resolveu agir e armou um esquema para matar o macaquinho que andava ao seu lado, mas ele não era só um macaco, era outro demônio aterrorizador, descobri que seu nome era Irmãos Caali, eram em quatro demônios, assim como os dominadores, foi aí que tudo se encaixou e a única coisa que tive que fazer foi deixar aquele monstro mais lento, facilitando que aquelas tais Pedras Planares virassem seres fantásticos e o matassem, salvando a vida do menino.
                Pois é, por um momento eu me senti um “stalker”, perseguindo aquele garoto, tentando salvar a sua vida, descobri o quanto o mundo é imenso perto do que conhecemos, mas ainda não descobri porque me senti obrigado a ajuda-lo, existe algo para esse menino no futuro e eu preciso estar de olho, é algo que só o tempo dirá, por mais irônico que pareça.

                Aqui eu percebo que o Véu do Mundo está caindo, que os seres naturais e sobrenaturais estão coexistindo e logo será necessário mais do que o menino Gabriel para salvar todos nós, tenho que procurar outros heróis, porque o que posso fazer é isso, o mínimo para ajudar o nosso mundo.