5 de janeiro de 2014

Um Romance Inesperado!

Histórias eram contadas de cobras gigantes, com aparência humanoide da cintura pra cima e isso se tornou uma lenda urbana na cidade, algumas pessoas juravam tê-las visto e sempre eram perseguidos ou as viam comendo alguma coisa grande, como um cavalo ou um cachorro, alguns até diziam que elas comiam gente e algumas pessoas já haviam sumido sem deixar vestígios.
                Certo dia começaram a ocorrer mortes na cidade, sempre mulheres e sempre belas, mas a única coisa realmente em comum entre elas é uma tatuagem nas costas de uma cobra e o número zero, todas morrem de estrangulamento e nenhuma morte foi resolvida, há uma pessoa que diz ter visto uma cobra gigante estrangulando uma mulher loira com o rabo e ela gritava pedindo socorro, mas a polícia não considerou o relato por ser impossível. Isso ocorreu por meses, morreram no total doze mulheres na cidade.
                Um garoto chamado Daniel se apaixonou por uma moça bela chamada Polly e eles tiveram um romance por alguns meses, porém numa noite, curtindo um céu estrelado, Daniel tira a blusa de Polly e percebe a tatuagem de cobra com o número 1 e pergunta do que se trata, nesse momento Polly olhou para o relógio desesperada e viu que só faltavam dois minutos para meia-noite, então ela olhou para o Daniel e falou para correr, correr como nunca correu na vida, era uma questão de vida ou morte. Daniel achou que fosse brincadeira e logo ela começou a se contorcer, se jogou no chão, seu corpo começou a se esticar, suas pernas se grudaram e um rabo começa a surgir e na mente do garoto a lenda urbana veio à tona.
                Daniel correu para longe e percebeu que estava sendo seguido, ouviu o rastejo de algo grande e não quis olhar para trás, mas foi derrubado por um rabo que laçou suas pernas. Assustado ele não olhou muito para o ser, mesmo sem ser religioso logo recorreu a reza e começou em voz alta a orar, mas uma voz escorrida e suave o manda ficar quieto, reza nenhuma o salvaria.
                No momento que o rabo dessa cobra começou a enrolar todo o corpo de Daniel alguma coisa a derrubou, fazendo-a larga-lo, era outra cobra dessas gigantes e nesse momentos ele viu com todos os detalhes que as lendas contadas eram reais, um corpo humanoide com um rabo imenso de cobra, presas afiadas, braços fortes, uma era careca e outra com cabelos loiros compridos, deveria ser a Polly. Aqueles monstros começaram a brigar, se enrolar, se bater e logo começaram a conversar em uma língua muito diferente e então se largam, se afastam e a cobra loira vai embora.
- Daniel, vejo que você se apaixonou pela pessoa errada. – Diz a grande cobra com voz masculina e em português. – Infelizmente ela foi uma das escolhidas pela Naga, uma entidade que possui diversas servas que são fundidas as almas das bebês quando nascem e sempre elas se tornam belas mulheres, como a Pollyane. Eu sou um caso diferente, sou um amaldiçoado pela entidade e tenho essa forma eternamente, meu nome já foi Felipe, hoje sou só um monstro, então caço esses seres e mato-os.
- Como assim entidade? Quem é você? Seis meses? Você que estava matando aquelas mulheres? Porque não matou essa? Como eu nunca percebi? – Daniel lança várias perguntas desesperado.
- Muitas perguntas, mas nenhuma correta, o que quero dizer é que como os lobisomens, elas se transformam em Nagas em tempos determinados, apenas a tatuagem em suas costas conta os dias para que a entidade tome conta do corpo da mulher e se transforme, elas sabem e sofrem com a transformação e o único jeito de livrá-las é matando-as. Normalmente se transformam de sete em sete dias, mas pode variar, e costumo matá-las enquanto humanas, pois é mais fácil, são seres difíceis de morrer quando transformados, os humanos são mais frágeis que elas. Agora o que interessa, porque não a matei? Porque durante a luta percebi que ela estava frágil e então notei algo diferente, ela também percebeu que estava mais fraca e conversamos. Ela está grávida, você será papai, mas seu bebe não será uma Naga, não se preocupe, pois é menino e nasce daqui a cinco meses, por isso combinamos que ela esperaria o bebe nascer e então nos encontraríamos para uma luta mortal, digamos que dei uma trégua a ela.
- Como assim um bebe? Ela nem tem barriga grande, nem teria tempo para...
- Vocês transaram na primeira noite, ali ela engravidou, portanto nós lhes daremos este tempo e depois disso eu a matarei e você criará o seu filho e esquecerá de tudo isso. Volte ao local onde estavam curtindo as estrelas, ela estará lá esperando e não se lembrará de nada que fez enquanto transformada, acalme-a dizendo que não tem problema e conte tudo o que lhe contei, aproveite cada dia como o ultimo e não fique olhando sua tatuagem nem tentando aumenta-la, é inútil. Agora tenho que ir. Fato importante, no último dia pegue o bebe e suma.
                Dali em diante foram meses maravilhosos, cada dia vivido foi único e os dois aproveitaram ao máximo, Daniel não olhava a tatuagem para não ficar contando os dias, Polly não falava do assunto para não assustar e assim eles levaram esses cinco meses.
                Na última semana tudo ficou mais difícil, estava chegando perto do momento deles se separarem e então uma pessoa mandou uma carta anônima para Polly dizendo que havia uma mulher, há 50 anos atrás, que conseguiu se libertar, a entidade simplesmente optou por não voltar mais e a tatuagem mudou de um número para um símbolo do infinito, ela devia tentar descobrir algo, o nome da mulher é Raquel Moreira, mora em São Paulo.
                Mas como faltava muito pouco tempo, ela acabou nem contando ao Daniel para não criar falsas esperanças, escondeu a carta, ela queria essa última semana perto dele e assim ficaram, o bebe nasceu e no dia seguinte a tatuagem estava com o número 1, Daniel prometeu cuidar do bebe e beijou Polly pela última vez.
                Polly fugiu do hospital para um local longe, onde poderia se transformar sem matar nenhum humano e logo apareceu aquele homem cobra, mas por algum motivo Daniel apareceu logo em seguida, segurando a carta anônima, mas quando foi falar alguma coisa Polly começou a se transformar e sem saber o que fazer Daniel esperou de pé, entre os dois monstros e leu a carta para a entidade da Pollyane, ela parou, pensou e respondeu com aquela voz suave que é verdade, é possível abandonar a alma do nosso recipiente e Daniel suplicou, pelo amor que sente por Polly que a entidade abandonasse o corpo dela e a liberasse para viver livremente ao lado dele. A Naga então, com seu rabo, enrolou Daniel e Felipe avançou para defendê-lo.
- Não faça nada Felipe, se for para viver sem a Pollyane eu prefiro morrer e deixar o bebe para ser criado pelos meus pais, eu não suportaria olhar todos os dias para um lindo bebe e lembrar que a mãe dela foi morta porque era dominada por um monstro sem coração que não foi capaz de desistir do que quer que tivesse vindo para fazer nesse mundo.
- Como pode falar assim, está prestes a morrer e me chama de monstro sem coração? Você é muito petulante, irei esmagá-lo agora mesmo.
- Não, se tentar qualquer coisa eu te mato antes Naga – diz Felipe. – Aceite o pedido do garoto e deixe-a viver para criar o bebe.
- Nunca, libertá-la é o mesmo que morrer, se for para morrer será lutando contra você, um amaldiçoado que vem matando todas de minha raça. – Nesse momento ela aperta mais a cauda esmagando um pouco Daniel.
- Eu dou a minha vida pela dela, me mate e liberte-a, assim não terá mais Nagas morrendo em minhas mãos e o bebe terá seus dois pais presentes.
- Você faria isso por alguém que nem conhece? Um ser humano desprezível como você já foi?
- Sim, faria e farei se topar.
- Você é louco, mas se estiver falando a verdade eu topo, desde que eu te mate com as próprias mãos e só depois a liberte. – A Naga solta Daniel que caiu já quase sem ar e parte para cima de Felipe, enrola sua cauda no pescoço dele e o quebra com a facilidade de quem queria ter morrido.
- Agora é sua vez Naga. – Diz Daniel ofegante.
- Cumprirei com minha palavra, mas aproveite a vida que lhe dei e reze para não ter nenhuma filha mulher. – Ao dizer isso a Naga começa a se transformar na bela humana Pollyane.
Daniel cobre Pollyane com sua camiseta e a leva para o hospital correndo, olhando para trás apenas vê o corpo de Felipe se desfazendo em pó, Daniel também é internado porque estava com algumas costelas fraturadas.

Ao serem liberados do hospital, com um símbolo do infinito na tatuagem, Daniel e Pollyane se casam e vivem felizes com seu filho e alguns anos depois eles engravidam de novo de uma menina, mas só o futuro dirá.
Postar um comentário